segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Os Mutantes


É... eu adimito!

Não conhecia Os Mutantes... Eu era um estúpido (Não, não estou chamando aqueles que não conhecem de estúpido, mas aqueles que não querem conhecer).

Escutando o album Os Mutantes de 1968, em sua faixa inicial, Panis et circense, vejo como um anuncio do que há de vir, a força do Tropicalismo, do experimentalismo, um anuncio com instrumentos de sopro, como um chamado. Daí em diante, o album se torna um oceano se sonoridade. Guitarras distorcidas, a voz viajante de Rita Lee, não tem como não mexer com a gente.

Lembrando Beatles em sua era psicodélica, Pink Floyd, e várias outras bandas... a musica pop brasileira ficou marcada. Segundo a Rolling Stones, em uma lista dos 50 albuns mais experimentais de todos os tempos, esse ficou em 12° lugar duas posições acima de Sgt. Pappers Lonely Hearts Club Band, dos próprios Beatles, e muitas posições acima de The Pipper of the Gates Down do Pink Floyd, esse confesso não ter escutado, nada que não se possa resolver, né!

Escutando esse album, você sente vontade de ter vivido naquela época (óbviu, se você não tiver tido a oportunidade de vivenciar aqueles tempos, que na minha opinião, fora um dos mais criativos e produtivos da cultura brasileira).

Vou estudar mais as musicas do Tropicalismo. Simplesmente sensacional! Viva Rita Lee, Arnaldo Baptista e Sérgio Dias.

2 comentários:

Felipe disse...

É Arnaldo Baptista, meu querido...

Arnaldo Antunes é dos Titãs.

M.R.A disse...

vala... eh mermo... valeu finch!!!